Edith Stein

Edith Theresa Hedwing Stein


Filha dos comerciantes judeus Siegfried e Augusta Courant Stein e última de onze irmãos, nasceu no dia 12 de outubro de 1891, quando se celebrava a grande festa judaica do Yom Kippur, o "Dia da Reconciliação". Seu pai faleceu quando tinha dois anos, numa viagem de negócios. Durante a adolescência, deixou a escola e passou alguns meses na casa de sua irmã Else e família em (Hamburgo), ocasião em que passou por uma crise de fé. Retomou os estudos em 1908 e obteve o diploma dos estudos secundários com distinção, em 1911. Começa então a cursar a Universidade em sua cidade de (Breslávia) alemão, história, psicologia e filosofia. Interessa-se pelos estudos realizados por Edmund Husserl criador da Fenomenologia, e parte para estudar com ele em 1913, na Universidade de Gotinga. Faz estudos de filosofia alemã e história. Faz grandes amigos, do grupo de filosofia de Gotinga. Em janeiro de 1915 gradua-se com distinção.


Em 1920, passa por uma dolorosa crise interior, e sua irmã Erna casa-se. Em 1921 Edith Stein dedica-se a preparar as obras de Adolf Reinach para publicação e decide-se pela conversão ao Catolicismo, o que ocorre no dia 1 de janeiro de 1922. Com o Batismo e a primeira comunhão realizada na Igreja Paroquial São Martin, de Bergzabern, onde passava as férias em casa de uns amigos. Nesta época relê a autobiografia de Santa Teresa de Ávila, intitulada «Livro da Vida», com quem se identifica, apesar de na época não saber da origem judaica desta santa. Faz sua confirmação na capela privada do bispo de Speyer, em 2 de fevereiro do mesmo ano. Publica seus trabalhos no Anuário de filosofia e investigação filosófica, editado por Husserl. Entre 1923-1931 trabalha como professora no liceu para moças e no instituto para formação de professoras das irmãs dominicanas de Santa Madalena, em Speyer. Faz varias traduções e outros trabalhos e participa de conferências em simpósios e congressos pedagógicos realizados em Praga, Viena, Salzburg, Bâle, Paris, Munster e Bendorf. Em 1925 traduz para o alemão o Diário e As Cartas do cardeal John Henry Newman. Publica no Anuário seu estudo, "Uma investigação sobre o Estado", entre outros. Em 1928 participa de conferências sobre a questão feminina e sobre a educação católica por toda Alemanha e por países vizinhos. Faz a tradução para o alemão de De Veritate, de Tomás de Aquino. Em 1929 publica no Anuário seu estudo comparativo entre Tomás de Aquino e Edmund Husserl. Em 1930 faz conferências em Nuremberg, Salzburg, Speyer, Bendorf, Heildelberg sobre a questão feminina. Tenta novamente, sem sucesso, em 1931 uma cátedra universitária. Continua a realizar conferências por diversos lugares, e publica o primeiro volume da sua tradução das Quaestiones Disputatae de Veritate, de Tomás de Aquino. Consegue então uma posição em 1932 como docente no Instituto Alemão de Pedagogia Científica, em Münster, e continua a proferir diversas conferências pela Alemanha e Suíça. Participa do importante Congresso Internacional Tomista de Juvisy e publica o segundo volume da sua tradução de Tomás de Aquino, Questiones Disputatae de Veritate.